Importância da vitamina D na medicina dentária: poderá desempenhar um papel na resistência a doenças infecciosas?

Importância da vitamina D na medicina dentária: poderá desempenhar um papel na resistência a doenças infecciosas?

A vitamina D é uma hormona esteroide que é obtida através da alimentação ou sintetizada na pele a partir do colesterol quando a pele recebe exposição solar adequada (a principal forma de obter a vitamina). Infelizmente, a exposição directa à luz solar diminuiu drasticamente na sociedade actual com o aumento do número de empregos em escritórios. Além disso, à medida que envelhecemos, a nossa capacidade de absorver vitamina D diminui. A deficiência de vitamina D é um problema de saúde pública mundial que afecta todos os grupos etários. Estudos recentes demonstraram que cerca de 70% da sociedade é deficiente em vitamina D1

A síntese endógena de vitamina D ocorre na pele e está limitada ao período de exposição solar. Os raios ultravioleta B são capazes de transformar o 7-dehidrocolesterol em colecalciferol (vitamina D3). Para atingir a sua forma activa, a vitamina D3 sofre outras transformações no fígado (em 25-hidroxicolecalciferol; calcidiol, que é o metabolito mais importante da vitamina D3). A fase seguinte de transformação ocorre no rim, onde o calcidiol é transformado na forma activa da vitamina D3, o calcitriol (1,25-dihidroxicolecalciferol). O calcitriol funciona como um factor de transcrição de genes para proteínas alvo e, por isso, pertence a uma vasta gama de hormonas. É por esta razão que a vitamina D é considerada uma pró-hormona e não uma vitamina (Fig. 1).²,³

Pouco depois da descoberta da vitamina D, foi reconhecida a relação entre a vitamina D e a hormona paratiroide, bem como o papel da vitamina D3 na regulação da hemostase mineral e óssea. Neste processo, a forma activa da vitamina D, ou seja, o calcitriol, visa diferentes mecanismos para manter o nível de cálcio. Além disso, activa a formação e regeneração óssea, apoiando a diferenciação celular e aumentando a concentração sérica de cálcio e fosfato.4 Estudos demonstram que a vitamina D estimula a actividade osteoclástica e aumenta a produção extracelular da matriz proteica pelos osteoblastos. Uma das doenças bem conhecidas e precoces que resultam da deficiência de vitamina D é o raquitismo nas crianças (e a osteomalácia nos adultos), caracterizado por uma grave perturbação da mineralização5 . Além disso, a vitamina D tem vindo a adquirir uma importância crescente no tratamento de doentes que sofrem de osteoporose. A deficiência de vitamina D é mais conhecida e associada a mulheres que sofrem de osteoporose e menopausa. No entanto, alguns estudos investigaram o seu papel significativo e substancial em várias outras doenças, por exemplo, depressão, demência, doença de Alzheimer, asma, cancro, doenças cardiovasculares e diabetes. É também importante destacar funções fisiológicas, como a força muscular, a coordenação neuromuscular e a libertação de hormonas, que são, juntamente com o fortalecimento do nosso sistema imunitário, prejudicadas por um défice de vitamina D.⁶-⁸

Fig. 1: Imagem esquemática da síntese de vitamina D. PTH = hormona paratiroide; FGF23 = factor de crescimento dos fibroblastos-23; 25(OH)D = calcidiol; 1,25(OH)2D = calcitriol; 24R,25(OH)2D = 24,25-dihidroxicolecalciferol; 1,24R,25-(OH)3D = 1,24,25-trihidroxivitamina D3. (Imagem: Dr. Stanley)

Durante a última década, vários estudos demonstraram o papel crucial da vitamina D na saúde geral e a sua vasta gama de funções em todo o corpo.⁴ Vários estudos relataram a influência da vitamina D na prevenção de doenças crónicas e na redução da prevalência de doenças cardiovasculares e metabólicas, como a diabetes mellitus.⁶ Além disso, muitos estudos têm analisado o seu impacto no sistema imunitário, tendo sido demonstrada a sua capacidade de reduzir a inflamação e apoiar a regeneração em diferentes estudos pré-clínicos e clínicos.⁹ Neste contexto, a vitamina D tem também demonstrado um impacto benéfico na prevenção de doenças infecciosas bacterianas e virais, como a gripe,¹⁰ entre outras infecções agudas do trato respiratório.¹¹ Além do papel clássico da vitamina D na saúde óssea, destaca-se pelas suas importantes características imunológicas. Mais recentemente, a deficiência de vitamina D tem sido associada ao aumento de falhas e complicações de implantes dentários, entre outros.¹²-¹⁹

A optimização dos níveis de vitamina D antes da cirurgia é essencial para maximizar a cicatrização de feridas. É essencial que os níveis sejam optimizados, especialmente em medicina dentária, para que o processo de osseointegração dos implantes dentários e a integração dos enxertos ósseos colocados ocorram com o maior sucesso.¹⁴

Como optimizar os níveis de vitamina D

A vitamina D (calcidiol) é uma molécula altamente lipofílica. Quando a vitamina circula no sangue, cerca de 80% da vitamina está ligada à sua proteína transportadora (proteína de ligação à vitamina D). Outros 10% a 15% da vitamina D são transportados pela proteína de transporte, a albumina. Apenas uma pequena parte da vitamina D circula livremente no sangue, proporcionando assim uma maior disponibilidade para as células. A concentração sérica de calcidiol é o indicador mais fiável dos níveis de vitamina D. No entanto, a medição do calcidiol livre é tecnicamente bastante difícil devido à sua baixa concentração e à disponibilidade limitada de métodos de teste.²⁰ À semelhança de outras vitaminas e componentes sanguíneos, os valores de vitamina D são expressos principalmente em nanomoles por litro (nmol/l) ou em nanogramas por mililitro (ng/ml), de acordo com o sistema de unidades utilizado (1 nmol/l = 0,4 ng/ml; factor de conversão: 2,5). Existem diferentes recomendações no que respeita às gamas de referência da vitamina D. Um nível inferior a 20 ng/ml define uma deficiência. Níveis óptimos, acima de 30 ng/ml, são necessários para maximizar a saúde óssea, entre outros benefícios da vitamina D. No entanto, o intervalo mais frequentemente recomendado, considerado adequado e saudável, situa-se entre 40 e 60 ng/ml.²¹ Para indivíduos submetidos a qualquer tipo de procedimento dentário, são recomendados valores superiores a 40-60 ng/ml, pois após um período de stress (como uma cirurgia dentária), os níveis podem diminuir substancialmente.⁶

Infelizmente, a nossa alimentação normal não produz níveis suficientes de vitamina D. Exemplos dietéticos são o óleo de fígado de bacalhau (400-1.000 UI/colher de chá), o salmão fresco (600-1.000 UI/100 g, vitamina D3) e os lacticínios (100 UI/85 nmol, normalmente vitamina D3). De acordo com as directrizes da Associação Americana de Endocrinologistas Clínicos e do Colégio Americano de Endocrinologia, recomenda-se a toma de suplementos para manter os níveis acima de 30 ng/ml (Tabela 1).²²

Tabela 1: Indicadores de saúde para vários níveis séricos de vitamina D.

A vitamina D desempenha um papel importante no apoio ao sistema imunitário, na integração de vários biomateriais, na minimização da inflamação adicional causada pela cirurgia e noutros processos metabólicos, como a remodelação óssea. Por esta razão, algumas complicações em medicina dentária têm sido relacionadas com a deficiência de vitamina D.

Em 2009, um primeiro estudo em animais investigou o papel da vitamina D na osseointegração de implantes dentários.¹⁶ Foram colocados implantes em animais de controlo normais e em animais deficientes em vitamina D, que foram submetidos a testes de colocação e explantação de implantes, bem como a análises histológicas. Os testes de explantação revelaram uma diminuição de aproximadamente 66% do valor no grupo deficiente em vitamina D e um contacto osso-implante significativamente menor 14 dias após a colocação do implante. Concluiu-se com este estudo que o efeito da deficiência de vitamina D era significativo.

Após anos de estudos pré-clínicos iniciais que demonstraram o impacto acentuado da deficiência de vitamina D na osteointegração, foram publicados estudos clínicos adicionais. Em 2014, Bryce e MacBeth referiram que a deficiência de vitamina D poderia ser um factor causal do fracasso dos implantes imediatos.²³

Em 2016, Fretwurst et al. observaram que a remoção precoce de implantes numa clínica dentária universitária foi objecto de muita controvérsia quanto às possíveis causas de falha dos implantes: técnica cirúrgica, diabetes, fumadores.¹³ Estes implantes escolhidos aleatoriamente eram frequentemente removidos apenas 15 dias após a colocação, e os pacientes faziam várias análises ao sangue. Em todos os casos, os níveis séricos de vitamina D eram extremamente baixos (< 20 ng/ml). Este grupo de estudo relatou que, após um período de seis meses de suplementação, os níveis de vitamina D aumentaram (> 46 ng/ml) e os implantes foram bem sucedidos e foram osseointegrados em todos os casos após uma suplementação adequada. Foi também salientado que são necessários futuros ensaios clínicos para avaliar a relação entre a deficiência de vitamina D e a falha do implante.

Em 2017, Insua et al. escreveram um extenso artigo de revisão sobre o conceito de doença peri-implantar causada por osteoimunologia e macrófagos ósseos e a sua decomposição e manutenção.¹⁵ Uma secção foi dedicada à vitamina D e a sua correlação com a menor superfície óssea em contacto com o implante, possíveis complicações e perda óssea peri-implantar ao longo do tempo. Além disso, foi discutido o sistema imunitário durante a hemostase/osseointegração dos tecidos peri-implantares.

Em 2018, Guido Mangano et al. publicaram um estudo retrospectivo em que foram investigados 1.740 implantes em cerca de 885 pacientes.¹⁴ Até à data, este representa o maior estudo sobre o tema em que foram recolhidas as taxas de insucesso dos implantes, para além de outros factores conhecidos e associados ao insucesso dos implantes dentários, como o tabagismo e a periodontite generalizada. As conclusões deste estudo demonstram a necessidade de testes e suplementação de vitamina D antes da colocação e durante a manutenção após a colocação do implante dentário.

A vitamina C e os antioxidantes também desempenham um papel importante na cicatrização em medicina dentária

Para além da deficiência de vitamina D, vários factores podem comprometer a cicatrização de feridas, como a doença periodontal, a má alimentação, o envelhecimento, a diabetes, o tabagismo, o consumo excessivo de álcool e o stress.²⁴-²⁶, ²⁷. O stress oxidativo é considerado uma das principais causas da degeneração dos tecidos e das feridas crónicas que não cicatrizam.²⁸, ²⁹ Para combater o stress oxidativo, todas as células do corpo necessitam de moléculas conhecidas como “antioxidantes”, que previnem os danos nos tecidos.³⁰

Infelizmente, actualmente, uma grande percentagem da população sofre de deficiências de vitaminas e minerais directamente relacionadas com os níveis de antioxidantes. Para uma cicatrização óptima das feridas, os níveis de antioxidantes do doente devem ser aumentados antes da cirurgia. A vitamina C é uma das vitaminas consideradas importantes devido às suas funções antioxidantes, de síntese de colagénio e de imunidade.³¹, ³² . Outros compostos importantes para uma cicatrização óptima das feridas incluem os flavonóides,³³ o complexo vitamínico B,³⁴ os carotenóides (vitamina A), o magnésio,³⁵, ³⁶ o zinco,³⁷ o manganês e o selénio.

Infelizmente, uma grande percentagem da população sofre actualmente de carências de vitaminas e minerais directamente relacionadas com os níveis de antioxidantes. Para uma cicatrização óptima da ferida, os níveis de antioxidantes do paciente devem ser aumentados antes da cirurgia.

O papel da vitamina D nas doenças infecciosas

A função imunomoduladora da vitamina D e o seu impacto no sistema imunitário reflectem o seu potencial papel na defesa contra as doenças infecciosas. Por esta razão, tem havido um interesse crescente na influência dos níveis de vitamina D na prevalência e incidência de doenças infecciosas.³⁸-⁷⁵ A sua potencial capacidade anti-infecciosa fez da vitamina D um candidato favorável à terapia adjuvante no tratamento de numerosas doenças infecciosas. Uma revisão sistemática destacou a correlação entre a deficiência de vitamina D e o estado dos doentes com hepatite B crónica.⁴⁴ Além disso, foi demonstrado que um nível baixo de vitamina D está associado a uma carga viral elevada de hepatite B. Outro estudo mostrou que as variantes genéticas na via metabólica da vitamina D estão envolvidas na infecção pelo vírus da hepatite C.⁷⁶ Investigações mais recentes sugerem que a vitamina D pode inibir a infecção por herpes nas células epiteliais orais, regulando a expressão genética de moléculas de defesa como a interleucina-37.⁷⁷ Alguns estudos revelaram também o impacto preventivo, já referido, da suplementação com vitamina D na redução das infecções causadas pela gripe na infância.⁵⁴ Além disso, vários estudos destacaram o impacto positivo da vitamina D em doentes infectados com VIH-1.⁷⁸ Outros estudos sugeriram que os micro-RNAs regulados pela vitamina D podem ter um impacto protector na infecção pelo vírus da dengue.⁷⁹, ⁸⁰

Outro estudo mostrou que os pacientes que desenvolveram pneumonia tinham um nível muito mais baixo de vitamina D do que o grupo saudável.⁸¹ Curiosamente, o polimorfismo do receptor da vitamina D foi questionado numa meta-análise recente pela sua correlação com o risco de infecções virais.⁸² Com base nestes dados, uma revisão publicada recentemente investigou o potencial papel da vitamina D na infecção por SARS-CoV-2, uma vez que este vírus também pertence à família dos vírus encapsulados.⁴³

Fig. 2: Protocolo de suplementação de vitamina D para adultos desenvolvido por Shahram Ghanaati.

Conclusão

A deficiência de vitamina D continua a ser uma das deficiências vitamínicas mais prevalentes e está directamente relacionada com a remodelação óssea, como tem sido referido na literatura. É importante salientar que a vitamina D também está relacionada com o sistema imunitário, principalmente quando são colocados biomateriais no osso, como enxertos e implantes dentários. Este artigo salienta que estudos recentes demonstraram um aumento adicional significativo da falha precoce de implantes dentários quando os níveis de vitamina D são baixos e que a vitamina D é uma ajuda potencial para resistir à propagação de doenças infecciosas como a COVID-19. Além disso, este artigo demonstrou as doses recomendadas de vitamina D em função dos resultados do nível de vitamina D.

Sobre os autores

O Dr. Miguel Stanley é o director clínico da White Clinic em Lisboa, Portugal.
A Dra. Ana Paz dirige o departamento de investigação científica e desenvolvimento da White Clinic.
O Prof. Shahram Ghanaati é médico sénior e director adjunto da clínica de cirurgia plástica oral, crânio-maxilo-facial e facial no centro médico da Universidade Goethe em Frankfurt, na Alemanha, e chefe do laboratório de investigação FORM-Lab, também no centro médico.

Nota editorial: A lista de referências pode ser obtida junto do editor.

Dental Tribune

Related Posts

Dentes saudáveis = Olhos saudáveis

A ligação entre uma saúde oral deficiente e doenças oculares, em particular o glaucoma, é uma área de interesse emergente na investigação médica. E apenas mais uma prova científica de que todos os órgãos do nosso corpo estão ligados à nossa boca, desde o cérebro e os olhos até ao intestino e o coração.

Read More

Dentes saudáveis = Sistema reprodutor saudável

Lidar com problemas de fertilidade pode ser um processo emocional para muitos casais. Uma investigação da Johns Hopkins de 2022 revela que “embora as taxas de infertilidade nos EUA tenham estabilizado, o problema persiste para muitos indivíduos”. E todos nós conhecemos alguém que tem ou está a lidar com problemas reprodutivos. Mas sabia que a saúde oral também pode afectar a fertilidade?

Read More

Dentes saudáveis = Pele saudável

Quando se trata de saúde, nem todas as pessoas são iguais e algumas são mais sensíveis do que outras. Quem lida diariamente com problemas de pele sabe-o muito bem. O que talvez não saibam é que existe uma forte ligação entre a gestão da saúde oral e a gestão de uma variedade de doenças da pele.

Read More
Scroll to Top