Medicina dentária tóxica?

Medicina dentária tóxica?

É um grande orgulho ter o meu artigo sobre “Medicina Dentária Tóxica” publicado numa edição tão prestigiada. Penso que o nosso sector precisa realmente de mudar algumas coisas. UmaUma coisa que tem de acontecer e até ser imposta, e que é também uma base da Slow Dentistry, são as clínicas que não respeitam os protocolos de desinfecção adequados entre consultas. É fácil ver 40 pacientes por dia e facturar bem se não se importar de se infectar a si próprio, aos seus pacientes e à sua equipa. Este artigo dá muito que pensar. Se tiver alguma pergunta interessante, envie-me um e-mail.

Pode consultar o artigo completo no Dental Tribune aqui, ou ler a publicação completa abaixo:

De acordo com a empresa de estudos de mercado Industry Research, prevê-se que o mercado dentário global cresça a uma taxa de crescimento anual composta de 5,5% até 2025 e que atinja 37,16 mil milhões de dólares americanos em 2025, face aos 30,05 mil milhões de dólares americanos em 2019.1 Estes números são impressionantes, tão impressionantes que me é difícil compreendê-los, apesar de estar profissionalmente no sector há 22 anos.

O negócio da medicina dentária é tão complexo, tão grande e tão multifactorial, e significa tantas coisas diferentes para quase todos os profissionais do sector. Muda de cultura para cultura e de demografia para demografia. É mesmo praticada de forma diferente consoante a idade, a zona da cidade e do país em que se vive e o tipo de recursos de que se dispõe, para não falar da especialização. No entanto, tudo isto pode ser captado num número. Isso é muito curioso. Porque quanto mais aprendo sobre a indústria dentária, mais vejo que, em muitas partes do mundo, a medicina dentária é verdadeiramente e apenas orientada para fins financeiros. Vemos a tendência crescente do modelo de negócio de organização de serviços dentários nos EUA; este modelo também tem tido grande sucesso no Reino Unido, Espanha, Austrália e em alguns outros países em todo o mundo. Estas empresas de serviços oferecem ao médico a oportunidade de entregar a parte difícil da gestão de uma clínica a uma organização financeira, para que ele ou ela se possa concentrar essencialmente na prática e na arte da medicina dentária. Mas será que isso está realmente a acontecer? Será que os cuidados dentários estão a melhorar devido a esta situação? Deveria estar. Também continuamos a ter o modelo de negócio clássico de uma clínica privada com um ou mais sócios a trabalhar arduamente para ganhar a vida e a lidar com a concorrência crescente e a manter-se relevante no mercado. Temos também a medicina dentária realizada em hospitais em alguns países e os óbvios programas governamentais, como o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, que é um caso de estudo em vários sentidos.

Todos estes modelos de negócio implicam a prestação de serviços de medicina dentária a pacientes. O tipo de medicina dentária é o que eu gostaria de discutir mais adiante neste artigo. Após todos estes anos de crescimento científico, novos desenvolvimentos, novas tendências, tecnologias digitais e educação digital e online, a medicina dentária não deveria estar a tornar-se melhor para todos? Se os números financeiros estão a crescer tanto, isso não significa que as coisas estão a melhorar? Se assim é, porque é que parece que ainda há tanta coisa errada no nosso sector? Os pacientes também são responsáveis por este facto? Não me refiro apenas ao facto de comerem demasiado açúcar e não usarem fio dental; refiro-me ao facto de escolherem clínicas por todas as razões erradas, tais como:

  • custo;
  • localização;
  • acessibilidade;
  • regimes de pagamento;
  • cobertura pelo seguro;
  • bom marketing;
  • presença nas redes sociais; ou
  • uma pesquisa aleatória no Google. Nenhum destes critérios de selecção reflecte nada sobre a qualidade do talento dos médicos, da equipa, da tecnologia, dos materiais, das técnicas utilizadas ou do nível de ética – as coisas que, na minha opinião, constituem verdadeiramente o valor de uma clínica dentária.

página2imagem7112272

Algumas pessoas simplesmente não pensam, e haverá sempre alguém disposto a lucrar rapidamente com alguém que faz escolhas estúpidas. O problema é que isto sai sempre pela culatra dos bons profissionais que têm de lidar com o marketing global negativo que a medicina dentária recebe. A comunidade dentária tem feito um trabalho muito mau na promoção de uma medicina dentária de qualidade, na sensibilização para os efeitos de um mau tratamento dentário e na garantia de que o público toma decisões inteligentes ao escolher um dentista.

Numa palestra para a American Dental Association, em Setembro passado, em São Francisco, nos EUA, falei sobre a forma como a tecnologia e os consumidores estão a impulsionar a mudança no nosso sector. Parte da minha palestra era que, ao contrário do que acontece na maioria das indústrias, cuja evolução é tornada pública através de actualizações constantes nos meios de comunicação social, tal como as lutas entre empresas concorrentes, algo que é comum, por exemplo, nas telecomunicações ou na indústria automóvel, o público em geral não faz ideia do que se passa na medicina dentária. Não sabem nada sobre scanners intra-orais, Tomografia Computadorizada de Feixe Cónico (CBCT), novos desenhos de implantes ou todas as novas tendências da medicina dentária minimamente invasiva. Simplesmente não sabem como isso pode afectar a sua saúde oral, os seus sorrisos e, obviamente, a sua saúde geral. Simplesmente não sabem que ir a uma clínica que investe fortemente nos últimos avanços da tecnologia e em recursos humanoscom formação está muito mais bem preparado para oferecer uma medicina dentária de qualidade.

Embora um inquérito recente da Carestream Dental tenha revelado que dois em cada três pacientes escolheriam um dentista com tecnologia mais avançada por acreditarem que obteriam melhores cuidados, ainda não compreendem realmente o que a tecnologia pode fazer por eles. Para além disso, não compreendem as necessidades do fluxo de trabalho ou os prazos para fornecer qualidade. O estudo, no entanto, é um farol de esperança de que, com o tempo, a indústria dentária possa ajudar colectivamente o público em geral a compreender os benefícios de toda esta tecnologia para a sua saúde geral.

Porque, com todos estes avanços, não deveríamos estar a assistir a uma tendência de melhores cuidados em todo o mundo? Menos implantes a serem vendidos e abordagens mais conservadoras com melhores materiais, tirando partido das mais recentes tecnologias e desenvolvimentos científicos? Será que falhamos na protecção dos dentes da humanidade e, além disso, falhamos na protecção e defesa da nossa profissão? O consumismo está a tomar conta de tudo? As tendências de marketing que se centram na estética em detrimento dos princípios biológicos e que, na realidade, criam problemas mecânicos e fisiológicos para os pacientes, parecem estar em todo o lado.

página2imagem7147216

Acho que sei a razão para isso. É muito mais fácil vender beleza do que vender saúde, por isso é mais lucrativo. Os produtos que são fáceis de vender e rápidos de comunicar, como o branqueamento, as facetas e os alinhadores, são de facto muito mais apelativos para o consumidor final. Mas o que dizer de um paciente que tem um quisto à volta de um ou mais dentes envolvidos num tratamento estético efectuado por um profissional bem intencionado que não vê razão para fazer uma CBCT ou uma radiografia panorâmica, uma vez que se trata apenas de um tratamento estético? E depois? Quem está lá para proteger o paciente? Para garantir que a sua saúde oral é protegida e assegurada?

Nas últimas duas décadas, vi muitas vezes no meu consultório pacientes que se apresentavam com aparelhos ortodônticos tradicionais e que tinham cáries e gengivite activa, mas que o profissional anterior não se preocupou em assegurar que a boca não tinha cáries e que as gengivas estavam saudáveis. Porquê? Nunca o saberemos verdadeiramente, mas presumo que teria sido necessário muito tempo para o fazer com alguém que apenas queria dentes direitos e, além disso, teria aumentado o custo global do tratamento. Muito honestamente, as pessoas estão a jogar roleta russa com a sua saúde e o seu sorriso, dependendo de onde vão para arranjar os dentes.

A ironia é que aqueles que estão realmente melhor equipados para diagnosticar e tratar os doentes ao mais alto nível são geralmente os últimos dentistas que as massas escolhem. Porquê? Por causa do custo. O público escolherá uma clínica por causa do preço, localização, marketing e cobertura de seguro, em vez de clínicas que investiram em educação, tecnologia, dentistas com formação e procedimentos de qualidade e que seguem os protocolos padrão-ouro em tudo, desde a esterilização até aos procedimentos cirúrgicos. Estes são considerados dispendiosos. Assim, as soluções rápidas e económicas – que fazem maravilhas em muitos sectores – invadiram a medicina dentária, e há muitas empresas e clínicas a obter enormes lucros com isso.

Penso que, se houvesse melhor informação para o público, isto acabaria. A comercialização em massa da medicina dentária para o público em geral não mudou nada nos últimos 20 anos. A biologia e a mecânica são as mesmas em todo o mundo, e cada boca reage da mesma forma às bactérias, aos traumatismos e aos tratamentos dentários em geral. Então, porque é que os melhores cientistas e médicos de todo o mundo se concentram na qualidade e em fazer o que está certo, e tantos na indústria e a maioria do público a concentrar-se no preço e em soluções rápidas? Será possível ter tudo – rápido, barato e bom? Não sei. Eu, por exemplo, na minha clínica, não consegui fazer isso – e tentei mesmo.

Consideremos alguns aspectos que devem ser universais e estar sempre presentes antes de sentar um paciente na cadeira:
– A clínica deve ser totalmente licenciada,

bem como todos os dentistas e membros da equipa, de acordo com a legislação local.
– A clínica deve estar equipada para a realização de

de todos os protocolos básicos de medicina dentária, tais como radiografias, extracções e obturações. Digo isto porque algumas clínicas não dispõem de unidades radiológicas e não oferecem radiografias panorâmicas, muito menos exames CBCT, antes de efectuarem um check-up. Considero isto alarmante. Como é que se pode fazer um check-up completo apenas olhando para os dentes e as gengivas?

– Todos os consultórios devem ser desinfectados, e não apenas arrumados, antes de se sentar um paciente. Na maioria dos casos, este processo demora até 8 minutos. Nalguns países, o tempo médio de uma consulta é de 15 minutos. Isto parece não deixar tempo suficiente para uma desinfecção adequada. Esta é uma das bases do meu movimento Slow Dentistry: demorar o tempo necessário para desinfectar. A desinfecção adequada não pode ser feita à pressa. As mãos devem ser devidamente lavadas, todos os instrumentos devem ser desinfectados e embalados correctamente e, em seguida, deve dedicar-se um bom tempo a explicar ao paciente o que se vai fazer, os custos, os riscos, as consequências e outras alternativas. Este tempo é uma parte fundamental da vertente médica da nossa profissão.

– Obviamente, todos os tratamentos devem estar actualizados com as mais recentes evidências científicas e clínicas.

Sou a primeira pessoa a dizer que quanto mais sei sobre medicina dentária, menos pareço compreender verdadeiramente porque é que a nossa profissão não tem um papel mais relevante na sociedade, pois acredito que os nossos dentes são uma parte importante da nossa saúde geral. Demorei 20 anos a compreender alguns princípios muito básicos, mas acho que a medicina dentária é muito parecida com a própria vida. Sabe-se menos à medida que se aprende mais. A verdade é que a maior parte dos dentistas aprende biologia, biomecânica, anatomia dentária, medicina e uma enorme variedade de outras ciências muito importantes que depois são todas envolvidas na formação enquanto dentistas. Essa viagem é feita todos os anos por centenas de milhares de jovens de todo o mundo e terá como resultado a sua junção a cerca de 2 milhões de dentistas que exercem a sua actividade em todo o mundo. No entanto, a verdade é que muito pouco nos liga uns aos outros, para além de sermos dentistas,porque somos indivíduos antes de sermos dentistas. E, tal como na política, na religião ou no desporto, todos temos a nossa maneira de ver o mundo, o que afecta o nosso comportamento e a nossa maneira de pensar e trabalhar.

Mas voltemos ao essencial. O que é a medicina dentária? Já fiz esta pergunta a dentistas, novos e velhos, em todo o mundo, pois já dei palestras em mais de 50 países. Já conheci muitos profissionais fantásticos e vejo sempre que cada um de nós, incluindo eu próprio, tem uma visão diferente do assunto. A medicina dentária é diferente para cada profissional, porque é algo que varia e inclui muitos factores, como já mencionei anteriormente, mas, além disso, muda de acordo com o tipo de pacientes e casos com que cada dentista se depara.

Muito poucas pessoas pensam nisto, mas sabemos mais sobre o nosso motorista da Uber que nos transporta utilizando informações de uma aplicação do que sobre os nossos pacientes que entram no nosso consultório. Temos de estar preparados para tantas variáveis diferentes, várias vezes por dia, que não admira que tenhamos uma das profissões mais stressantes do mundo. E é-nos pedido que estejamos preparados para tudo. Isto é muito difícil para uma boa equipa interdisciplinar e quase impossível para um consultório com um único médico.

O que a indústria dentária pensa que a medicina dentária é, é diferente do que os próprios dentistas pensam que a medicina dentária é, e muito diferente do que o consumidor pensa que a medicina dentária é.

página3imagem5012544

Há muito poucas indústrias no mundo como esta; tem mais a ver com o sector da habitação do que com qualquer outra indústria. Pensem nisso. Toda a gente precisa do conforto e da segurança de uma casa, mas cada casa no mundo é diferente. O custo do seu imóvel varia em função do custo do seu terreno, dos impostos que paga, do tamanho da casa, da qualidade da construção e do custo da decoração interior, etc. As pessoas que só querem o melhor e que o podem pagar, vão sempre beneficiar do facto de que somos dentistas, porque somos indivíduos antes de sermos dentistas. E, tal como na política, na religião ou no desporto, todos temos a nossa maneira de ver o mundo, o que afecta o nosso comportamento e a nossa maneira de pensar e trabalhar.

Mas voltemos ao essencial. O que é a medicina dentária? Tenho feito esta pergunta a dentistas, jovens e velhos, em todo o mundo, uma vez que já dei palestras em mais de 50 países. Conheci realmente muitos profissionais fantásticos e vejo sempre que cada um de nós, incluindo eu próprio, tem uma visão diferente do assunto. A medicina dentária é diferente para cada profissional, porque é algo que varia e inclui muitos factores, como já mencionei anteriormente, mas, acima de tudo, mudará de acordo com o tipo de pacientes e casos com que o dentista se depara.

Muito poucas pessoas pensam nisto, mas sabemos mais sobre o nosso motorista da Uber que nos transporta utilizando informações de uma aplicação do que sobre os nossos pacientes que entram no nosso consultório. Temos de estar preparados para tantas variáveis diferentes, várias vezes por dia, que não admira que tenhamos uma das profissões mais stressantes do mundo. E é-nos pedido que estejamos preparados para tudo. Isto é muito difícil para uma boa equipa interdisciplinar e quase impossível para um consultório com um único médico.

O que a indústria dentária pensa que a medicina dentária é, é diferente do que os próprios dentistas pensam que a medicina dentária é, e muito diferente do que o consumidor pensa que a medicina dentária é.

Há muito poucas indústrias no mundo como esta; tem mais a ver com a indústria da habitação do que com qualquer outra indústria. Pensem nisso. Toda a gente precisa do conforto e da segurança de uma casa, mas cada casa no mundo é diferente. O custo do seu imóvel varia em função do custo do seu terreno, dos impostos que paga, do tamanho da casa, da qualidade da construção e do custo da decoração interior, etc. As pessoas que só querem o melhor e que podem pagar por isso, escolhem primeiro um arquitecto, depois um bom engenheiro e, por fim, a melhor empresa de construção com os melhores materiais e as técnicas mais recentes. As pessoas que querem ou têm de poupar dinheiro podem tentar construir a sua casa sozinhas, sabendo que este não é, de longe, o melhor cenário, e todas as variantes possíveis desta equação. Não há nada de ilegal ou de errado em tentar fazê-lo você mesmo; o problema é que, se correr mal, não tem ninguém para culpar a não ser você mesmo. Assim, de acordo com esta analogia, na indústria dentária estamos a comercializar as coisas erradas para o público em geral, tais como soluções fáceis e soluções rápidas com um enorme desrespeito pela importância das regras básicas fundamentais para a saúde oral – forma sobre função, estética sobre saúde, beleza sobre bases saudáveis.

página4imagem2955040

Penso que devemos trabalhar colectivamente para alterar esta situação. A indústria dentária deveria unir-se para ajudar a promover uma medicina dentária de qualidade junto das massas. Então, talvez deixemos de ver facetas artesanais de compósito colocadas sobre dentes com cáries e gengivite; pacientes a serem tratados sem um dique de borracha para endodontia e sem os devidos cuidados para tratar adequadamente todos os canais, quanto mais utilizar biomateriais modernos; implantes a serem colocados sem qualquer preocupação com a preservação óssea, numa posição deficiente – isto também se aplica a implantes com um mau registo na Clean Implant Foundation, que procura impurezas orgânicas e inorgânicas nas superfícies de quaisquer implantes no mercado. Talvez deixemos de ver coroas com contornos excessivos, que provocam problemas periodontais, e com altura excessiva, que provocam problemas na articulação temporomandibular e outros problemas no corpo, etc.

Estou a descobrir um padrão em muitos dos meus novos pacientes que adoeceram com os seus antigos tratamentos dentários e que simplesmente não conseguem compreender porque é que as pessoas em quem confiaram para os ajudar os deixaram doentes. Os custos financeiros da repetição de um tratamento dentário falhado são enormes e extremamente difíceis de aceitar para muitas pessoas.

Todos nós cometemos erros enquanto dentistas. Ninguém tem um historial perfeito, mas estamos a caminhar para um futuro mais tecnológico, onde as ferramentas de diagnóstico são melhores e mais precisas e onde podemos utilizar software de desenho digital do sorriso para nos ajudar a compreender se precisamos de ortodontia antes do tratamento cosmético para ser menos invasivo, ou se precisamos de um guia cirúrgico para colocar um implante quando há riscos envolvidos no procedimento.

Penso e espero que em breve a inteligência artificial possa usar, analisar e criticar a medicina dentária que fazemos hoje, se foi ética, se foi bem planeada e se os produtos eram o que dizíamos que eram. Penso que é apenas uma questão de tempo até que os consumidores tenham a última palavra sobre o que lhes é posto na boca. Espero que sim, para que este reinado da medicina dentária tóxica termine e que prevaleça uma medicina dentária verdadeiramente biológica, minimamente invasiva e ética.

Referências

1. Investigação no sector. Relatório Global Dental Device Market 2020 por principais participantes, tipos, aplicações, países, tamanho do mercado, previsão para 2026. Pune: Industry Research; 2020 Fev 13. p. 126

Artigo publicado em: Clinical MastersTM | edição 2020 | Esthetic and Restorative Dentistry

Related Posts

Dentes saudáveis = Olhos saudáveis

A ligação entre uma saúde oral deficiente e doenças oculares, em particular o glaucoma, é uma área de interesse emergente na investigação médica. E apenas mais uma prova científica de que todos os órgãos do nosso corpo estão ligados à nossa boca, desde o cérebro e os olhos até ao intestino e o coração.

Read More

Dentes saudáveis = Sistema reprodutor saudável

Lidar com problemas de fertilidade pode ser um processo emocional para muitos casais. Uma investigação da Johns Hopkins de 2022 revela que “embora as taxas de infertilidade nos EUA tenham estabilizado, o problema persiste para muitos indivíduos”. E todos nós conhecemos alguém que tem ou está a lidar com problemas reprodutivos. Mas sabia que a saúde oral também pode afectar a fertilidade?

Read More

Dentes saudáveis = Pele saudável

Quando se trata de saúde, nem todas as pessoas são iguais e algumas são mais sensíveis do que outras. Quem lida diariamente com problemas de pele sabe-o muito bem. O que talvez não saibam é que existe uma forte ligação entre a gestão da saúde oral e a gestão de uma variedade de doenças da pele.

Read More
Scroll to Top