Medicina dentária biológica

Medicina dentária biológica

Na última década, assistimos a uma mudança na forma como a indústria alimentar comercializa o que consumimos. Actualmente, existe uma preocupação muito maior com a forma como os nossos alimentos são produzidos, embalados e distribuídos, e toda a indústria alimentar biológica, livre de OGM (organismos geneticamente modificados) e pesticidas, teve um impacto real neste processo.

Até temos supermercados totalmente orientados para esta premissa. No fim de contas, somos o que comemos, e quanto mais saudável for a nossa alimentação, mais saudáveis seremos. Também acredito que quanto mais orgânicos forem os tratamentos dentários, mais saudável será a pessoa em geral. Por conseguinte, devemos começar a olhar para além dos tratamentos mecânicos e estéticos e começar a compreender melhor a inflamação e a toxicidade de alguns tratamentos antigos. Há alguns anos, comecei a fazer uma pergunta simples: “Como seria o movimento dos alimentos biológicos em relação à medicina dentária?” É uma pergunta difícil de responder. Em medicina dentária, procuramos sempre eliminar as infecções e restaurar a função mastigatória, e fizemo-lo com a melhor das intenções, mas por vezes, potencialmente, com materiais que podem não ser a melhor escolha.

Tal como precisamos de rótulos “bio” e “orgânicos” nos nossos alimentos, porque muitos dos produtos que estão no mercado contêm toxinas, e tal como muitos alimentos processados contêm químicos nocivos, não deveríamos também ter essa premissa na medicina dentária e na medicina em geral? Creio que sim. Para mim, esta é uma tendência futura nos cuidados de saúde. Por exemplo, apesar de muitas pessoas pensarem o contrário, o mercúrio presente nas amálgamas é um neurotóxico conhecido. A sua utilização em mulheres grávidas e crianças foi recentemente proibida pela FDA (Food and Drug Administration). Os efeitos negativos do mercúrio para a saúde são mais do que evidentes, os dados são sólidos e há mesmo uma preocupação crescente com este metal no peixe que consumimos. Níveis elevados de mercúrio no sangue podem levar a problemas neurológicos. Então porquê usá-lo nos nossos dentes, dentro das nossas cabeças, perto dos nossos cérebros?

Em muitos países, é proibido defender a troca do “chumbo” pela opção mais orgânica que é a resina composta. Tenho o prazer de dizer que, em mais de 24 anos de carreira, nunca fiz uma obturação de amálgama.

Somos pioneiros em “medicina dentária biológica” e estudamos todas as formas de eliminar a inflamação e a toxicidade na cavidade oral, bem como de restaurar sorrisos. Para mais informações, consulte www.whiteclinic.pt/pt-pt.

Related Posts

Dentes saudáveis = Olhos saudáveis

A ligação entre uma saúde oral deficiente e doenças oculares, em particular o glaucoma, é uma área de interesse emergente na investigação médica. E apenas mais uma prova científica de que todos os órgãos do nosso corpo estão ligados à nossa boca, desde o cérebro e os olhos até ao intestino e o coração.

Read More

Dentes saudáveis = Sistema reprodutor saudável

Lidar com problemas de fertilidade pode ser um processo emocional para muitos casais. Uma investigação da Johns Hopkins de 2022 revela que “embora as taxas de infertilidade nos EUA tenham estabilizado, o problema persiste para muitos indivíduos”. E todos nós conhecemos alguém que tem ou está a lidar com problemas reprodutivos. Mas sabia que a saúde oral também pode afectar a fertilidade?

Read More

Dentes saudáveis = Pele saudável

Quando se trata de saúde, nem todas as pessoas são iguais e algumas são mais sensíveis do que outras. Quem lida diariamente com problemas de pele sabe-o muito bem. O que talvez não saibam é que existe uma forte ligação entre a gestão da saúde oral e a gestão de uma variedade de doenças da pele.

Read More
Scroll to Top