Está a tornar-se mais difícil contratar?

Está a tornar-se mais difícil contratar?

Quando terminei a universidade, em 1998, a Internet estava a dar os primeiros passos, as redes sociais estavam num futuro distante, e as páginas amarelas (procure-as no Google se tiver menos de 30 anos) ainda eram um recurso para tentar descobrir contactos profissionais.

Se eu quisesse um emprego, teria de comprar um jornal e procurar os anúncios que as empresas colocavam, e teria de enviar uma carta com o meu CV, ou ir procurar o local, bater à porta e apresentar-me. Era preciso ser corajoso para o conseguir. Na verdade, isto foi algo que fiz para iniciar a minha carreira em medicina dentária no século passado.

Além disso, tive de percorrer 400 quilómetros de autocarro para conseguir o meu primeiro emprego. Fiz um grande esforço para o manter, chegando ao ponto de me mudar para o sul do país para trabalhar nos dois primeiros anos da minha carreira. Nada foi fácil. Mas, na altura, era o que sabíamos e devo dizer, olhando para trás, que foi muito divertido e tudo foi uma aventura, pois não sabíamos nada.

Nessa altura, as coisas eram muito mais simples. O que vejo hoje, quando se trata de contratar jovens, é quase o oposto disso. Comecei a perguntar-me se toda esta tecnologia, as redes sociais e o acesso a tanta informação não filtrada seria de facto algo melhor para o mercado? Para muitos jovens que procuram emprego hoje em dia, ser famoso no Instagram, ou noutras plataformas de redes sociais, é de facto muito importante. E não posso censurar os jovens por quererem isso, pois a fama e a idolatria são algo que cultivamos desde o tempo dos gladiadores romanos! Não podemos censurar ninguém por querer ser famoso e reconhecido.

Especialmente agora, quando se pode ganhar dinheiro desta forma. Posso dizer com segurança que esse nunca foi o meu objectivo principal e, nos cuidados de saúde, para aqueles que foram para a universidade estudar para serem médicos ou dentistas, esse não deve ser o seu objectivo principal. Se for consequência de um grande trabalho, então é fantástico, mas nunca deve ser o primeiro objectivo. Nunca contrataria um dentista com base no seu perfil nas redes sociais, mas sempre com base nos seus valores e formação, o que me leva ao tema qie debatemos hoje.

Porque é que é cada vez mais difícil contratar pessoas?

Será que as redes sociais e todo este acesso à informação criaram a ilusão de que o trabalho é fácil? E estou a dizer isto porque, sejamos realistas, quem é que publica as coisas difíceis nas redes sociais? Quem é que publica o dia-a-dia rotineiro? As dificuldades, os desafios, os dias complicados? A carga de trabalho complicada, o stress, a ansiedade, o desespero por que passa cada pessoa na fase inicial da sua carreira?

Trabalhar horas a mais, enquanto estuda para os exames, ir cedo para o trabalho e voltar tarde para casa. As noites em que se vai para a cama sem comer porque se esqueceu de ir ao supermercado e não tem dinheiro na conta para ir buscar comida. Todas estas coisas que eram absolutamente normais antigamente, hoje em dia são consideradas inaceitáveis pela geração mais jovem que procura o seu primeiro emprego. O que procuram agora é o importante equilíbrio entre a vida profissional e pessoal que consideram ser a realidade e os dias tirados para tratar da saúde mental, que, convenhamos, são importantes, mas não se pode investir no futuro sem suar e sofrer um pouco! Nunca é assim tão fácil! Não é assim que as coisas funcionam. Fundações fortes requerem pressão e, acima de tudo, trabalho árduo e investimento consistentes.

Não estou a ver isso nesta geração mais jovem que parece querer um salário fantástico e horários de trabalho incríveis para se poderem concentrar no seu crescimento pessoal e noutras ambições. Se os seus sonhos pessoais não fazem parte do seu percurso profissional, então porque é que quis ser um profissional de saúde?

Por isso, penso que estamos perante uma crise existencial nos cuidados de saúde, porque muitos destes jovens que acabaram de se formar têm noções confusas sobre o que são os primeiros anos de trabalho nos cuidados de saúde e penso que é muito importante que as universidades e as academias de formação em todo o mundo comecem a concentrar-se em reeducar o quão difíceis são os primeiros anos em qualquer sector dos cuidados de saúde, porque é preciso des-programar totalmente o nosso desejo de ser o centro da relação e colocar a nossa equipa e o nosso paciente nesse centro.

Caso contrário, não há forma de ser um bom prestador de cuidados de saúde, porque tudo gira em torno do paciente, da equipa e da ciência e nunca de si próprio e das suas opiniões pessoais. É preciso ouvir e aprender com os professores mais experientes. Se é isso que quer ser, o centro de tudo, então talvez os cuidados de saúde não sejam para si e esteja na profissão errada, e o que realmente precisa de fazer é ser um actor, ou uma estrela do Instagram, sem desrespeito por aqueles que o são, pois sigo alguns e respeito-os, mas nos cuidados de saúde, se quer ser um médico, uma enfermeira ou um dentista e ter uma longa carreira ao serviço dos outros, então o foco tem de ser no trabalho árduo, no empenho e no sacrifício e a humildade para estar continuamente a aprender, juntamente com a força e a coragem para trabalhar mais do que a maioria dos seus colegas, porque o seu trabalho pode salvar vidas e essa é a missão!

O trabalho árduo compensa.

É uma longa viagem até ao topo e os seus contactos não o levarão até lá. Só o talento, a paixão, a vontade, a garra e o trabalho árduo e honesto.

Por isso, quando for a uma entrevista de emprego, nas famosas palavras do falecido JFK, “não pergunte o que o seu empregador pode fazer por si, mas o que você pode fazer por ele”.

Boa sorte para todos os que estão a entrar no mercado de trabalho médico. Mantenham-se concentrados.

Related Posts

Dentes saudáveis = Olhos saudáveis

A ligação entre uma saúde oral deficiente e doenças oculares, em particular o glaucoma, é uma área de interesse emergente na investigação médica. E apenas mais uma prova científica de que todos os órgãos do nosso corpo estão ligados à nossa boca, desde o cérebro e os olhos até ao intestino e o coração.

Read More

Dentes saudáveis = Sistema reprodutor saudável

Lidar com problemas de fertilidade pode ser um processo emocional para muitos casais. Uma investigação da Johns Hopkins de 2022 revela que “embora as taxas de infertilidade nos EUA tenham estabilizado, o problema persiste para muitos indivíduos”. E todos nós conhecemos alguém que tem ou está a lidar com problemas reprodutivos. Mas sabia que a saúde oral também pode afectar a fertilidade?

Read More

Dentes saudáveis = Pele saudável

Quando se trata de saúde, nem todas as pessoas são iguais e algumas são mais sensíveis do que outras. Quem lida diariamente com problemas de pele sabe-o muito bem. O que talvez não saibam é que existe uma forte ligação entre a gestão da saúde oral e a gestão de uma variedade de doenças da pele.

Read More
Scroll to Top