Confiança nos cuidados de saúde: está a diminuir?

Confiança nos cuidados de saúde: está a diminuir?

Um dos grandes pilares dos cuidados de saúde, a relação de confiança entre o médico e o paciente é fundamental - enquanto um enfrenta problemas de saúde, o outro tem as competências, o conhecimento e a experiência para minimizar o sofrimento, criar um plano de tratamento, executá-lo e acompanhar o paciente rumo a uma solução que lhe devolva a saúde e o bem-estar. Então, porque é que a confiança nos cuidados de saúde está a diminuir?

O estado do mundo

Da agitação política aos conflitos armados, da corrupção e dos crimes financeiros às questões sociais crescentes, como as LGBTQ, as minorias, a igualdade de género, o Black Lives Matter e o movimento Me Too, estão a ser levantados debates importantes e relevantes. É como se estivéssemos numa era de transformação. E para que estes debates se realizem, é necessário que as instituições sejam colocadas no centro das atenções e que a forma como as coisas são feitas tenha de mudar, porque a mudança positiva é importante. No entanto, o mundo nunca foi realmente um lugar justo e, para que a mudança ocorra, muito tem de acontecer. E porque as coisas não estão a acontecer à velocidade que deveriam – ou que as pessoas pensam que deveriam – o mundo é actualmente um lugar de tensão e estamos a assistir a uma desconfiança global e maciça no governo.

A pandemia

A pandemia de COVID-19 abalou o nosso mundo de uma forma completamente inesperada. Pessoalmente, fomos afectados não só pela doença em si e por todas as incógnitas que trazia consigo, mas também pelos sucessivos confinamentos, distanciamento social, isolamento, perda, mudanças e incerteza no emprego e pela forma como tudo isto afectou as nossas famílias e a nossa própria saúde mental. No domínio dos cuidados de saúde, tivemos de nos adaptar continuamente, o que incluiu a escassez de pessoal, investimentos inesperados em novos protocolos de segurança e higiene e, nesse processo, vestimos equipamento de proteção individual maciço, usamos máscaras e corremos riscos todos os dias para podermos estar ao lado dos nossos pacientes. Curiosamente, muitos pacientes passaram a ter cada vez mais medo de visitar as suas clínicas e a saúde de rotina passou para segundo plano, deixando de ser uma prioridade.

A ascensão da cultura do “eu”

A par do estado do mundo e da pandemia global, a ascensão da cultura do “eu” contribui também para a desconfiança generalizada a que assistimos. E esta “cultura do eu” começa com a Internet, com as redes sociais, com o excesso de informação, com as notícias falsas, com ter tudo na ponta dos dedos, com toda a gente a pensar que é especialista em alguma coisa ou, pior, em tudo. Os confinamentos sucessivos a que assistimos nos últimos dois anos não só não ajudaram, como contribuíram muito para esta “cultura do eu”, em que as pessoas têm estado fechadas em casa a consumir apenas o que querem ver. E isso criou “ilhas mentais emocionais” ou refúgios pessoais onde só vemos as nossas opiniões políticas, as notícias que queremos ver, só ouvimos as coisas que queremos ouvir. E embora eu seja a favor do conceito de que somos responsáveis pela nossa visão do mundo e que todos têm o direito de viver de acordo com as suas próprias crenças, em alguns casos, a “cultura do eu” tornou-se unidimensional, demasiado fechada, demasiado radical. E temos visto os resultados: impaciência crescente, super stress, comportamentos pouco saudáveis (a raiva na estrada é um excelente exemplo), medo, cepticismo, desconfiança, um enorme aumento dos problemas de saúde mental.

O que é que isto significa para os cuidados de saúde?

Significa que é, de facto, uma altura muito difícil para estar no sector da saúde. Para além de lidarmos com pacientes que fizeram imensa pesquisa e investigação antes de marcarem uma consulta com um médico, estamos também a lidar com as críticas do Google, boas e más. A concorrência é grande, sobretudo em Portugal, onde há o dobro dos dentistas exigidos pela Organização Mundial de Saúde. As coisas tornam-se ainda mais complicadas quando falamos de clínicas privadas – uma vez que os pacientes estão a pagar por este serviço, acreditam que têm direito a tudo e mais alguma coisa, acreditam que têm uma palavra a dizer sobre tudo e mais alguma coisa. E embora isto possa ser verdade quando praticado de forma respeitosa, a verdade é que, quando a desconfiança e a cultura do “eu” invadem uma consulta, quando invadem uma clínica com duas décadas de experiência, quando invadem o protocolo de diagnóstico e tratamento de um dentista com conhecimentos de classe mundial, os cuidados de saúde modernos continuam a ser uma profissão muito stressante. Mas a saúde e o bem-estar deveriam ser exactamente o oposto, certo?

Um caso prático

Isto está a afectar a nossa prática, sem dúvida e, pessoalmente, tenho notado cada vez mais desconfiança por parte dos pacientes. Recentemente, enquanto me preparava para uma cirurgia, o paciente telefonou à esposa para lhe pedir a sua opinião sobre um dos medicamentos que íamos administrar – algo completamente normal – e pediu-me para falar com ela. Porque é que está a utilizar o medicamento A em vez do medicamento B? Dois sinais de alerta imediatos: um paciente adulto que precisa de consultar outro adulto imediatamente antes da cirurgia e alguém que não é o paciente a questionar o médico que está a conduzir o caso, de uma forma que sugere que sabe mais sobre o procedimento do que eu. Normalmente, não aceito estes casos. E não o fiz. Informei o paciente de que não o ia tratar e saí graciosamente pela porta. Porque é que suspendi o procedimento? Porque eu estava prestes a fazer uma cirurgia complexa que envolvia uma grande quantidade de riscos e com o cônjuge do paciente a questionar desrespeitosamente o meu protocolo antes mesmo de eu começar, naturalmente que o medo de que algo pudesse correr mal com a cirurgia aumentava. Consequentemente, os problemas de saúde mental também estão a aumentar para os médicos dentistas.

O papel da confiança nos cuidados de saúde

Quer estejamos a falar de medicina dentária ou de qualquer outra área da medicina, a questão fundamental é: tem de confiar no seu médico. O seu médico estudou, continua a estudar, já viu e já interveio em casos semelhantes, dedicou tempo ao seu caso, sabe de cor o protocolo, compreende os riscos, sabe exactamente o que fazer se algo não correr como planeado, é apoiado pela ciência, pela tecnologia, por uma equipa altamente qualificada. Quando entramos num avião, perguntamos ao comandante que combustível está a ser usado, que rota está a ser seguida, dizemos-lhe para usar um combustível alternativo, para seguir uma rota alternativa? Não. Sentamo-nos, desfrutamos do voo e confiamos no comandante para nos levar em segurança até ao nosso destino. É exactamente a mesma coisa com um médico: fazer um juízo de valor sobre um plano de tratamento médico não é correcto.

O que é correcto é ter uma conversa saudável e respeitosa com o seu médico previamente e garanto que somos todos ouvidos: o que é que se passa comigo? Como é que vai resolver isto? Quanto é que vai custar? Quando é que vou ficar melhor? Quais são os riscos? Esta opção assusta-me, existem alternativas?

Os médicos sempre tiveram um papel especial na sociedade. E desde a época de Hipócrates, a confiança tem sido a base de todas as relações médico-paciente, algo que deve continuar assim nos dias que correm.

Não pode haver uma relação saudável entre o médico e o paciente se o vínculo de confiança não existir desde o início ou se for quebrado ao longo do processo. E uma vez feito isso, está feito. Não há como voltar atrás. E se a confiança não existir e algo correr mal, é um mundo de sofrimento para todos. Por vezes, temos de dizer não. Por vezes, é preciso cancelar tratamentos. Por vezes, é mesmo do interesse de todos. Mas quando há confiança, há uma relação de cuidado, dedicação e bem-estar para toda a vida. E isso é realmente tudo.

Vamos concentrar-nos na construção de relações de confiança fortes e recíprocas. A nossa saúde depende disso.

Related Posts

Dentes saudáveis = Olhos saudáveis

A ligação entre uma saúde oral deficiente e doenças oculares, em particular o glaucoma, é uma área de interesse emergente na investigação médica. E apenas mais uma prova científica de que todos os órgãos do nosso corpo estão ligados à nossa boca, desde o cérebro e os olhos até ao intestino e o coração.

Read More

Dentes saudáveis = Sistema reprodutor saudável

Lidar com problemas de fertilidade pode ser um processo emocional para muitos casais. Uma investigação da Johns Hopkins de 2022 revela que “embora as taxas de infertilidade nos EUA tenham estabilizado, o problema persiste para muitos indivíduos”. E todos nós conhecemos alguém que tem ou está a lidar com problemas reprodutivos. Mas sabia que a saúde oral também pode afectar a fertilidade?

Read More

Dentes saudáveis = Pele saudável

Quando se trata de saúde, nem todas as pessoas são iguais e algumas são mais sensíveis do que outras. Quem lida diariamente com problemas de pele sabe-o muito bem. O que talvez não saibam é que existe uma forte ligação entre a gestão da saúde oral e a gestão de uma variedade de doenças da pele.

Read More
Scroll to Top