A importância de abrandar

A importância de abrandar

Há muito tempo que tenho vindo a falar sobre a importância de praticar Slow Dentistry. Muitos dos meus colegas tiveram sempre muita curiosidade em saber o que é que isto significava realmente. Nunca fez tanto sentido dedicar o tempo necessário para desinfectar correctamente as suas mãos e desinfectar correctamente a sala de tratamento entre pacientes. Na minha clínica, este é o protocolo habitual há mais de 20 anos. O que realmente significa nos bastidores é que, por norma, nunca atendemos mais do que um paciente por hora por cadeira e desinfectamos correctamente a sala de tratamento entre pacientes.

Para ser claro, não estou a dizer que um dentista não pode atender 30 pacientes por dia, pode atender tantos pacientes por dia quanto possível. Se puder efectuar o seu tratamento com qualidade, rapidez e segurança, tudo bem. O que não pode acontecer é um tempo de rotação rápido entre pacientes. Todas as clínicas devem investir um mínimo de 10 minutos entre as consultas para desinfectar adequadamente todas as superfícies.

Agora, se está a gerir uma clínica, é legítimo aceitar que um dos seus principais objectivos é o lucro financeiro. É normal, e é saudável em qualquer negócio. O problema é: onde é que se traça o limite entre arriscar a nossa saúde e a saúde dos que nos rodeiam para obter lucro?

Actualmente, todos nós prestamos muito mais atenção à importância de desinfectar correctamente todas as superfícies. A recente pandemia mundial provocada pelo vírus da COVID-19 chamou a atenção para o problema da contaminação cruzada de partículas virais em superfícies e tecidos e para a forma como estes agentes patogénicos podem permanecer activos durante um longo período de tempo. Eis um artigo recente sobre este assunto.

Obviamente que a minha formação médica me ensinou a importância de abordar adequadamente este problema na universidade, por isso, quando comecei a gerir a minha própria clínica, foi-me apresentada uma escolha simples: ver muitos pacientes por dia para ter mais lucro, correndo o risco de contaminação cruzada, ou reduzir o número de pacientes e investir correctamente em protocolos de desinfecção de referência, mesmo que isso significasse menos dinheiro no final de um dia de trabalho. Obviamente, escolhi a segunda opção, que tem sido a prática corrente no meu universo durante toda a minha carreira. Isto significa que, no final do ano, as minhas finanças podem não ser tão chorudas como um potencial investidor gostaria de ver, mas tenho quase a certeza de que se houvesse algum tipo de recompensa por reduzir drasticamente o risco de contaminação cruzada entre pacientes, estaríamos no topo dessa lista. Se ao menos pudéssemos lucrar com a ética!

Só agora é que estamos a compreender a importância destes pequenos pormenores, que na verdade saem muito caro à minha empresa. O tempo investido nos bastidores nunca é recompensado e nunca ninguém o pede. Fazemo-lo simplesmente devido ao entendimento ético de que é nosso dever não causar danos.

O público também tem um papel a desempenhar neste contexto, uma vez que muito raramente telefonam para o consultório com curiosidade sobre os protocolos de desinfecção. Telefonam para o consultório e perguntam qual é o preço, por exemplo, de uma limpeza. Não perguntam como é que o procedimento é realizado, quantas pessoas o vão realizar ou a tecnologia utilizada para o fazer. Simplesmente perguntam o preço!

Obviamente, se continuar a fazer esta pergunta durante muito tempo, acabará por criar um mercado que se concentra exclusivamente em dar às pessoas o que elas querem: medicina dentária barata!

Temos de começar a levar isto muito a sério!

Um artigo recente publicado pelo New York Times mostrou que os dentistas têm uma das profissões com maior risco de contrair COVID-19. Isto também significa que a podemos transmitir entre pacientes. Então, porque é que havemos de correr mais riscos no futuro com a saúde pública? Isto também significa que a podemos transmitir entre pacientes. Então, porque é que havemos de correr mais riscos no futuro com a saúde pública? Está na altura de abrandar.

Há alguns meses, em Londres, realizámos o primeiro encontro de Slow Dentistry. Uma das maiores questões colocadas por alguns dos participantes foi o facto de isto nunca funcionar no SNS, uma vez que o tempo médio de consulta é de 15 minutos. Não consigo compreender como é que isto não é um risco para a saúde, e muito menos como é que isto pode ser conducente a uma medicina dentária de alta qualidade? Os médicos são confrontados com o difícil dilema entre a sobrevivência financeira e o sustento das suas famílias, e a saúde pública. Ninguém deveria ter de tomar essa decisão. Mas a verdade é que a maioria das clínicas, consultórios dentários corporativos e modelos de negócio de DSO entrariam em colapso se começassem a praticar Slow Dentistry. Simplesmente não se podiam dar ao luxo de investir o tempo necessário entre pacientes. Isto significa que muitos dos modelos de negócio praticados actualmente no mundo da medicina dentária preferem o lucro à segurança. Isto é simplesmente um facto. Prevejo que, dentro de alguns meses, depois de esta pandemia passar, e vai passar, as pessoas vão mudar a forma como escolhem uma clínica dentária.

O custo será secundário em relação à segurança.

Sempre foi o objectivo da Slow Dentistry apoiar os médicos e clínicas que se esforçam para proteger os seus pacientes.

O mundo será diferente depois disto. A equação é: o que é que vai fazer para mudar? Para perguntas sobre como aderir, basta enviar um e-mail para enquiries@slowdentistry.com e ver como pode juntar-se à nossa Rede Global e ajudar-nos a mudar colectivamente o paradigma.

#slowdentistry

Related Posts

Dentes saudáveis = Olhos saudáveis

A ligação entre uma saúde oral deficiente e doenças oculares, em particular o glaucoma, é uma área de interesse emergente na investigação médica. E apenas mais uma prova científica de que todos os órgãos do nosso corpo estão ligados à nossa boca, desde o cérebro e os olhos até ao intestino e o coração.

Read More

Dentes saudáveis = Sistema reprodutor saudável

Lidar com problemas de fertilidade pode ser um processo emocional para muitos casais. Uma investigação da Johns Hopkins de 2022 revela que “embora as taxas de infertilidade nos EUA tenham estabilizado, o problema persiste para muitos indivíduos”. E todos nós conhecemos alguém que tem ou está a lidar com problemas reprodutivos. Mas sabia que a saúde oral também pode afectar a fertilidade?

Read More

Dentes saudáveis = Pele saudável

Quando se trata de saúde, nem todas as pessoas são iguais e algumas são mais sensíveis do que outras. Quem lida diariamente com problemas de pele sabe-o muito bem. O que talvez não saibam é que existe uma forte ligação entre a gestão da saúde oral e a gestão de uma variedade de doenças da pele.

Read More
Scroll to Top